A visibilidade na tradução

A

O lado ruim da visibilidade é quando os tradutores são lembrados pelos revisores, pelas agências e até mesmo pelos clientes diretos em decorrência de problemas com a tradução: emprego incorreto de terminologias, ausência de construção adequada de orações, deslizes de ortografia, etc. É quando há mensagens solicitando revisões e até mesmo ajustes de valores por conta de traduções que não atendem ao que foi anteriormente acordado entre as partes. Essa visibilidade pode acarretar ao tradutor a perda de projetos e, em muitas vezes, a perda de clientes.

O oposto, por sua vez, ocorre quando há consistência na tradução e são desnecessárias mudanças no texto ou questionamentos sobre a escolha de um determinado termo ao contrário de outro. Nesse caso, a visibilidade do tradutor é positiva. Ele será lembrado e solicitado para a realização de outros projetos, podendo até mesmo formar uma parceria mais efetiva com o cliente, com a agência e também com outros colegas.

A invisibilidade peculiar na tradução editorial

Na tradução editorial, o leitor, ao se deparar com uma obra de difícil compreensão, em que um determinado termo tenha lhe causado estranheza ou cujo contexto não tenha feito qualquer sentido, culpará a editora e não o tradutor. Isso porque, em sua quase totalidade, o tradutor é invisível aos olhos do leitor. É mais difícil que o leitor adquira o exemplar original para fazer um comparativo e as editoras, por sua vez, geralmente não têm o hábito de incluir o nome do tradutor nas referidas obras.

Por outro lado, o tradutor e o seu trabalho ficam visíveis à editora, que pode chamá-lo para outros projetos por causa da ótima qualidade de sua tradução, ou descartá-lo do seu time de tradutores, pelas constantes falhas apresentadas. Mas é mais comum que o tradutor receba o feedback direto da editora e não do leitor.

Essa invisibilidade gera dois cenários.  O primeiro resguarda o tradutor de numerosas avaliações públicas negativas, caso a tradução não tenha sido bem realizada.  Você me perguntaria se poderia ser possível uma publicação de uma obra com erros de tradução, visto que há o trabalho dos revisores por trás, antes dela ser colocada à venda. Eu responderia que sim. Há casos em que alguns livros, incluindo best-sellers, foram recolhidos por problemas de tradução, mesmo após terem sido revisados e publicados, causando impacto financeiro às editoras.

O segundo cenário da invisibilidade acoberta o talento do tradutor que realizou um ótimo projeto, impossibilitando que todos os leitores saibam que foi ele o responsável pela tradução daquela obra, tão bem avaliada.

A visibilidade instantânea na tradução audiovisual

Nesse gênero, a situação é diferente. Apesar de muitos canais televisivos ou online ainda não mencionarem o nome do tradutor de um determinado filme, por exemplo, o telespectador pode saber mais rapidamente quem o traduziu, em decorrência da divulgação em redes sociais e em canais da internet. A comparação entre o texto de origem e o de destino é mais fácil. Temos opções de assistir a filmes dublados com legendas ou a ver filmes legendados com falas no idioma original. E em virtude da facilidade de comparação, é notório vermos mais a predileção dos telespectadores em apontar deslizes de tradução do que reconhecer um belo trabalho. Por isso, a visibilidade do tradutor fica mais acentuada.

Percebemos que ser invisível ou não traz as suas vantagens e desvantagens. Em suma, é bom que o tradutor tenha um cuidado a mais com as suas traduções para que a sua visibilidade se torne positiva e lhe traga reconhecimento, parcerias significativas e mais projetos no futuro.

Por Ligia Ribeiro